CONHEÇA O MUSEU DO DIAMANTE


O Museu do Diamante foi criado em 12 de abril de 1954, por meio da Lei Nº 2.200 do Presidente Getúlio Vargas, que se baseou em projeto do então Deputado Juscelino Kubitschek de Oliveira. Hoje o Museu do Diamante é administrado pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM).

Localizado no centro histórico de Diamantina, situada no início da Estrada Real, antigo caminho colonial por onde passaram o ouro e o diamante responsáveis pela riqueza da coroa portuguesa, cidade Patrimônio Cultural da Humanidade.

De tipologia histórica, o Museu do Diamante/Ibram tem sua atuação marcada pelo atendimento ao visitante que busca na instituição conhecer os contextos que favoreceram a vocação da cidade de Diamantina, desde o Arraial do Tijuco até a atualidade como polo minerador, em especial do ouro e do diamante.

Além deste marco, em relação aos processos da extração diamantífera e aurífera, o casarão também remete a uma dimensão sociocultural regional e nacional: a Inconfidência Mineira (Conjuração Mineira), por ter sido residência do padre José da Silva e Oliveira Rolim. Esse contexto habilita o Museu a ser um espaço de divulgação da memória, da história social e da cultura da cidade de Diamantina e de seus personagens, ultrapassando níveis mais concretos para alcançar aspectos mais subjetivos e imateriais dos processos socioculturais locais.

Inegável é que o Museu do Diamante/Ibram se apresenta como um importante marco histórico e um significativo lugar da memória de Diamantina, revelando aspectos representativos da história da cidade.

Seu acervo é formado por objetos de estilos e tipologias diversas, sendo que o museu constitui-se importante espaço de informação e memória tanto para a população de Diamantina, quanto para seus vários públicos. Entre os objetos sob a guarda do Museu do Diamante podemos encontrar um vasto acervo de numismática, mineralogia, além de instrumentos utilizados no processo de mineração do ouro e diamante, que juntos compõem o quadro do que foi o processo de formação e ocupação do norte de Minas Gerais. Além disso, o Museu também possui um acervo fotográfico significativo para a história da cidade e seu entorno, composto por imagens de personalidades de Diamantina, das ruas, do casario e dos monumentos da cidade, bem como sobre a mineração e o garimpo na região.

O acervo possibilita uma reflexão sobre os processos históricos da mineração diamantífera e do garimpo realizado na cidade e seu entorno vis-à-vis o contexto sociocultural da região durante os séculos XVIII e XIX.

Os serviços oferecidos ao público incluem: visitas mediadas (agendadas ou não), ações educativas e culturais (cursos e oficinas, apresentações artísticas, rodas de conversa e palestras, exposições), atendimento a pesquisadores e cessões de espaço.

Outras Notícias

CASA DA GLORIA. O PASSADIÇO DE DIAMANTINA

As construções que compõem a atual Casa da Glória são de épocas e estilos diferentes. O edifício principal ou ...

CAMINHO DOS ESCRAVOS, AQUI COMEÇA UMA NOVA AVENTURA

Foi uma das principais vias de ligação entre o Norte de Minas e o Sul da Bahia no século 18. Era a rota dos diaman...

MERCADO VELHO E CENTRO CULTURAL DAVI RIBEIRO

O antigo Mercado dos Tropeiros, construído em meados do século XIX, servia de ponto de encontro dos comerciantes pa...

CONHEÇA O PARQUE E A VILA DO BIRIBIRI

Bem pertinho de Diamantina, o Parque do Biribiri é um passeio delicioso para quem busca contato com a natureza, ecot...